sexta-feira, fevereiro 15, 2008

obituário de domingo

tudo era ridiculamente simples

não passavam de nós inventados

para nos sentir brilhantes ao desfazê-los

Como se perde tempo! Como somos inventivos sem motivo!

E o deleite e gastá-lo com honras sofríveis?

vale mais do que ouro?


Quisera eu saber antes que tudo era domingo.

Dormiria os papeis sob

a porta

Coçava a buraco do meu futuro

Até o tudo depois se espreguiçar


Ah se desconfiasse que no fim era só um sopro,

A prévia de tudo desfigurar

Votaria em mais troça nos dias

Aumentaria o oco por onde tudo há de acabar


Caberemos

Todos

Se

Deitarmos.


Mas, pra quê, se suas pernas diminuem ao longo do caminho?

Um comentário:

maria > disse...

afiadin, hein, nego?