sexta-feira, janeiro 20, 2006

Entremeios

Minha aflição tateia o marasmo,
flerta com a calmaria.
Meu flagelo grita aos surdos
com as mãos amarradas nas costas.

Esse lugar do meio, da passagem
é também a morada dos atropelamentos
(em baixa velocidade)

Todo esse território, o meio, ambiguamente
me consome em banho maria

quente

calmo

insuportávelmente lento

Ah, esse calor que me congela
Ah, esse meio do caminho
Ah, esse médio que se agrava e se aguda

Paciência.


Lucas dos Anjos

Um comentário:

Amanda Medeiros disse...

Adoro!