segunda-feira, agosto 13, 2007

Já sei

Agora menino,

você se encolhe em feto,

as janelas em escuro pano

e torce para que caia do céu

uma chuvinhinha, pequena e fina,

de doer o meio do umbigo.

e espera não saber mais,

se noite ou dia,

que faz lá fora

a mesma toada

desde que gasta o mundo.

até tudo ficar claro




Lucas dos Anjos

Um comentário:

Renee Arnoux, disse...

Procurei no google por "nem ave, nem peixe, nem arenque vermelho" e achei um texto seu de 2005.
lindo, me vi naquelas palavras e coloquei no profile. se me permite gosteria de postar no meu blog posteriormente.

:) bom, isso aí